domingo, 20 de novembro de 2011

Boa noite

Me impressiona a capacidade de modelagem que as pessoas exercem sobre si mesmas quando se trata de um interesse que envolva tabu...
Também me impressiona o quanto posso ser meu melhor amigo e, na maior parte do tempo, meu pior inimigo.

Planos.
Planos que foram parcialmente executados rondam minha cabeça. Assolam-na.
Assim, eu mesmo me saboto, como aprendi na infância, sendo forte o suficiente para aguentar às ameaças de todos, mas sendo completamente impotente contra eu mesmo.

Números.
Sim, números também me importunam. E o que interessam eles, nesse caso?
Absolutamente nada!
Isso é apenas eu, me sabotando outra vez.

E de novo, e de novo, e de novo... Tudo me leva de volta ao berço. O leite que bebemos do peito contém sabedoria. Uma sabedoria que nem sempre deve ser aplicada. No meu caso, uma sabedoria que nunca deve ser aplicada.

Planos.
Planos de diversão. Diversão inconsequente. Ainda assim, diversão que pode não divertir. Nem um pouco.

E é assim que segue a minha noite.
Álcool. Decepção(?). Hipocrisia(?).
Apenas mais uma, de muitas noites.

Passar bem.