quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Carol

Ora, vejam só como é a vida!
Como é belo o aleatório!

Encontrei uma pastora
(Ela quem me encontrou)
Que gosta do campo tanto quanto eu
(Quem no campo já morou)
Que, me contrariando, não é tímida
(E que não se intimidou)
Que chegou mais perto
(E de mim se aproximou)
E que, até, de brincadeira (?),
Comigo noivou.
Sem sair do lugar,
Sem eu saber o que falar,
Sem que eu pudesse acreditar,
Me fez rir, me fez viajar,

E, como sempre, me resta a pergunta:
E agora, o que será?



(Texto que achei perdido no meu computador, escrito há uns meses, e que já não precisa ser escondido como precisava à época. O inferno, sempre os outros.)