segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Os confusos pensamentos de um piá borrado de medo

A vida é uma constante variação.
Aqueles que muito me importunavam já se foram de minha vida; ou então, abrandaram. Há, ainda, os que tornaram-se amigos.
Tenho medo de que o mesmo ocorra com aqueles que fazem a minha alegria, tecendo, tal qual moiras, da minha vida um alegre arabesco.

Já não tenho mais motivos pra continuar procurando.
Tenho medo de perder aqueles que me fazem bem porque acomodei-me, uma vez descrente da existência de muitas mais pessoas que possam alegrar-me sinceramente.
Peço perdão aos meus superiores, mas minha fé não é inabalável. Gostaria que fosse, mas as coisas parecem fechar-se sobre mim, as pessoas parecem me presisonar.
É tudo real.
É tudo na minha cabeça.
Uma cabeça confusa de um piá pensante.