sábado, 11 de junho de 2011

Um hiato de indeterminação

Sim, um hiato. Uma pausa.
Cansei de ser a vítima, e isso me fez pensar um pouco. Pensei sobre as opções.
Ser mártir? Não, definitivamente cansei de sofrer tanto!
Afora isso, tenho algumas outras opções... Se eu não sou a caça, posso ser o caçador. Também está longe de ser a minha opção, justo por saber perfeitamente como é estar na posição da caça. Não quero fazer com que outros passem por aquilo que passo.
Também posso parar de viver, mas minhas promessas me impedem de morrer por vontade/iniciativa própria.
A última opção, o hiato: posso deixar minha vida correr, sem ser realmente uma vida. Nada acontece, porque eu não sou mais vítima, e muito menos sou aquele que faz acontecer.
É uma opção muito, muito perigosa, e realmente é uma perda de tempo. Mas, tempo é exatamente o que eu preciso fazer com que passe. Se eu não tenho o poder necessário pra resolver os problemas que me assolam (eu teria poder, se fossem meus problemas, diretamente, mas, não são meus, e eu tenho que respeitar as decisões de todos os envolvidos), certamente o tempo tem.
Resta saber se posso me manter firme nessa decisão.
Muito obrigado.