quarta-feira, 25 de maio de 2011

Só a título de recordação

Podem ignorar essa postagem, ela está sendo feita apenas para que eu possa remover esse fragmento do meu bloco de anotações e liberar espaço.

"Eu seria duas vezes o maior hipócrita do mundo se ficasse com vergonha dela; uma pelo meu discurso contra a vergonha, outra por ser atraído pelo exibicionismo."

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Será?

Não há nada pior quando eu saio que chegar no fim da noite só com cheiro de cigarro

Este é um dia atípico. Estranho. Extremamente bizarro.
O modo como eu me senti, me comportei, agi, reagi... Ah, tão anormal! Diria até bipolar!
Acordei feliz, fiquei triste logo após, depois lembrei de algumas coisas... Lembrei da minha mulher, e me tornei o homem mais feliz do mundo, pelo simples fato de amar e ser amado! Ah, o amor é lindo.
Também ela estava com um humor atípico. Isso fez com que uma desarmonia se instalasse e causasse um profundo desgosto em minha pessoa. É, as coisas foram estranhas, e as conversas ruins se formavam repetidamente, sem motivo aparente.
Depois, alegria. Logo após, tristeza. Alegre outra vez! Ah, chegou a saudade, e com ela a tristeza... Uma verdadeira gangorra (não, nerds, não uma senoide :P).
Sei que cheguei em casa melancólico, com saudade, e, ainda assim, feliz. Sei também que as perspectivas são favoráveis, e isso deveria me alegrar.
Felicidade, alegria e amor... Tudo que um humano precisa, e o resto é só consequência.
Mas, novamente desanimado, canto junto com Duda Calvin:
Pra não dizer que não falei de flores
Como é tão fácil se entregar deixar a vida deprimir
Dinheiro, beleza, não compram uma paixão
Sofrer, deixar de lutar não cura a depressão
É, triste, mas persistente. E, se não for do jeito simples, vai ser do jeito persistente. O não ser tá fora de questão.
O amor é meu melhor amigo. A felicidade está sempre comigo. Só preciso correr atrás da alegria. Ah, essa me escapa por entre os dedos com facilidade incrível. Mas é só uma questão de tempo.
Espero que vocês amem, sejam felizes, e alegres também. O mundo precisa disso.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Adeus, mundo cruel

"Ramón não tem nome de herói americano. Tem orgulho de ser apenas um pobre mexicano" ♪
Obrigado, DDT punkrock, por essa música.

Venho pensando muito, até demais. Minha cabeça roda, zonza com tantos problemas, tantas pressões. E não adianta dizer "ah, eu te conheço, tua vida é uma maravilha, mas tu tá sempre reclamando", porque, dessa vez, não, ninguém sabe de todos os meus problemas, de todas as minhas pressões, de todos os impasses e encruzilhadas que a minha vida tem tomado.
Tenho percebido a crueldade no mundo, e em como os seres humanos estão longe de sua própria salvação. Tudo isso agora, que eu estava convencido de que a vida é maravilhosa.
É demais, e eu venho pensando em morte muito intensamente. Se não a minha, a de um ou outro ser. Isso me preocupa muito, uma vez que eu preciso seguir em frente, mesmo quando eu não quero, pois eu tenho promessas a cumprir, missões a realizar e pessoas a ajudar.
Meu remédio? Não sei, talvez uma nova vida, longe daqui, só eu e ela, e mais ninguém que nos conheça, nem ninguém que nos encontre. Meu remédio? Ah, o amor.
E que seja o que Deus quiser.